O passeio dos triglicerídios e do colesterol pelo corpo humano

Um pouco mais sobre as gorduras.

As gorduras da dieta são primariamente triglicerídeos de ácidos gordurosos ácidos graxos de cadeia longa, ou seja, com muitos carbonos (ácidos, mirístico, palmítico, esteárico, palmítico, oleico).

Os glicerídeos (mistura de ácido graxos com glicerol) não são absorvidos de forma intacta pelo intestino. Sob a ação da lipase pancreática, são inicialmente hidrolisadas em monoglicerídeos de ácidos gordurosos livres. Havendo descontrole pode-se levar a impotência sexual.

Aproximadamente 90% da gordura ingerida sofre ação desta Hidrólise (quebra de uma substância e adição do radical o h do hidrogênio da molécula da água nas metades restantes).

Os monoglicerídeos e os ácidos gordurosos, produtos da hidrólise Inicial, são insolúveis em água, e como tal não podem ser absorvidos pelo intestino. Para tanto preciso da ajuda solubilizante dos sais biliares, que os transformam nas micelas, formas moleculares solúveis de lipídeos, prontas quimicamente para serem captadas pelo tubo digestivo.

Uma vez dentro da membrana do intestino, esses lipídios são agrupados por várias enzimas celulares, gerando se novamente os triglicerídeos estes triglicerídeos. Por sua vez, só podem deixar o intestino se devidamente envoltos em uma nova forma molecular, chamada de quilomícron.

Triglicerídios de cadeias curta e média

São gorduras formadas por ácidos gordurosos com menos de 12 carbonos em suas cadeias moleculares. Esses triglicerídeos de cadeia curta média não sofrem ação fragmentadora da lipase pancreática e não preciso transformar se em células para serem absorvidos. São captados como ácidos gordurosos diretamente pelo sangue da veia porta, não precisando inclusive da ajuda das lipoproteínas quilomícrons e do sistema linfático, para o seu transporte.

O nascimento das Lipoproteínas.

Na mucosa intestinal, após a absorção da gordura, o colesterol e os ácidos graxos da gordura da dieta são agrupados novamente para formarem os triglicerídeos, e ésteres de colesterol que formaram futuramente no sangue o interior dos lipoproteínas quilomícrons.

Essa mesma mistura, agora devidamente em volta, liga se com uma nova combinação de proteínas passando a constituir assim a camada envoltória das lipoproteínas quilomícrons. Esta forma assim a lipoproteína quilômetros, um mês de transporte da gordura da alimentação no sangue, sendo a sua fração mais pesada constituída por triglicerídeos.

Uma vez no sangue e na linfa, as lipoproteínas quilomícrons recebem e capítulo na sua estrutura novas proteínas provenientes das lipoproteínas já no sangue sob a ação da enzima lipase lipoproteica encontrada nos tecidos. Extra hepáticos o núcleo 22 quilômetros formado por triglicerídeos. E fragmentado liberando-se então ácidos graxos livres ou então ligados à proteína albumina.

Fígado A usina produtora de gordura

Os triglicerídeos endógenos são continuamente formados no fígado à custa dos ácidos graxos livres e outros precursores não lipídicos. Se a fabricação hepática de triglicerídeos exceder as necessidades energéticas do corpo, então uma fração desta produção terá de ser eliminada do fígado para evitar a infiltração gordurosa deste órgão.

E é assim que surge ali proteína sua molécula é formada no fígado sendo constituída por proteínas e triglicerídeos no sangue após a captação de mais proteína proveniente de proteína vai sofrer a ação da lipase e fragmenta-se os triglicerídeos em ácidos livres ou então em ácidos graxos ligados a Albumina. A fração remanescente da lipoproteína, por processos não bem determinados, transforma-se na lipoproteína perdendo então o restante de seus triglicerídeos e todas as suas proteínas com exceção da proteína chamada a folha ou proteína.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *